O que fazer em Natal de dia e de noite?

4104



Essa você vai ter que ir até lá para descobrir tudinho, porque por mais que a gente fale aqui, é tanta coisa o que fazer em Natal que ia precisar de um livro – e ainda ia ficar muita coisa faltando. Então prepare-se e reserve pelo menos 20 dias para os principais pontos dessa aventura por um dos lugares mais bonitos do Brasil.

Sim, porque isso ainda vai ser pouco para você aproveitar de verdade as dunas de Genipabu, a famosa Vila de Pipa, os Parrachos de Maracajaú ou Ponta Negra, um dos muitos pontos preferidos pelos turistas. Você vai querer fazer tudo e ainda reclamar que quer ficar mais. Afinal, só de praias são mais de uma dezena delas, cada uma com suas características próprias.



 

Comece pelos principais pontos turísticos de Natal

Se você quer saber o que fazer em Natal vamos começar logo pelos pontos principais, aqueles que deixam turistas de qualquer nacionalidade literalmente de boca aberta. Uma unanimidade, e nesse caso, contradizendo Nelson Rodrigues, ela não tem nada de burra, é o passeio pelas dunas de Genipabu, simplesmente números 1, 2, 3 e 4 nas avaliações de turistas de todo o mundo dentre as principais 74 atrações de Natal. É, já deu para perceber que a concorrência é pesada, mas você já vai entender porque o lugar é tão especial.

O passeio deve ser feito de buggy e na verdade dura praticamente um dia inteiro, porque ele é bem mais do que o nome dá a entender, passando por diversos parques de dunas, principalmente os de Graçandu, Pitangui e Genipabu, claro. É lá que a galera adora fazer fotos e viver uma aventura no mínimo pitoresca, que é andar de dromedário, os simpáticos animais de origem do norte da África e da Ásia.

A Lagoa de Jacumã e a nascente do Rio Pratagi também estão no roteiro, assim como duas modalidades muito especiais de um esporte local: o esquibunda ou aerobunda que, é claro, você já imagina como deve ser. Como visitar o local sem adrenalina não está com nada, experimente pedir essa opção ao seu guia – e segure-se firme no buggy. Inesquecível e radical.

Claro, isso tudo vai dar uma fome danada, e aí a dica é pedir para almoçar na Lagoa de Pitangui. Se ele sugerir Jacumã agradeça e recuse delicadamente, não que seja ruim, mas você vai gostar muito mais da lagoa: você saboreia o cardápio variado e farto em mesinhas dentro d’água. Vale ou não a pena?

O que fazer em Natal?
Dunas de Genipabu por Portaldosol

O que fazer em Natal se você ama a vida debaixo d’água

Essa é para os aficionados pela vida marinha, cá para nós, a maioria de quem faz uma viagem dessas. Afinal, não dá para não ir nos Parrachos de Maracajaú, mas a essas alturas você já deve estar se perguntando o diacho seria um parracho. Inseridos na Área de Proteção Ambiental dos Recifes de Corais, os Parrachos de Maracajaú são um verdadeira barreira de coral a apenas 7 Km na costa, ocupando uma área aproximada de 13 Km. Então imagine as piscinas naturais que se formam na maré baixa, delimitadas pelos corais que floram à superfície, com a água completamente cristalina e milhares de peixinhos coloridos nadando ao seu redor.

O lugar é tão lindo e atrai tanta gente que é preciso delimitar número diário de visitantes, afinal aquilo lá é uma APA. No controle é rígido e, na alta estação apenas 654 pessoas podem entrar por dia nos parrachos, mas na baixa estação esse número cai para 492. Mas lembre-se: nos mergulhos de snorkel ou com cilindro a ordem é olhar e não tocar, levar então, nem pensar. Faça fotos, muitas fotos e deixe a natureza intacta.

Dicas de O que fazer em Natl?
Parrachos de Maracajaú por maracajaureservas

Visite os principais cartões postais de Natal

O principal deles é o Morro do Careca, uma duna gigantesca de 120metros de altura que você não vai poder subir, é verdade, porque ela é tombada pelo patrimônio histórico. Ela fica em na Praia de Ponta Negra, a mais badalada da região e que abriga várias tribos, principalmente o pessoas do kitesurf, windsurfe e surf, mas também os esportistas de levantamento de copo e garfo que frequentam os muitos e maravilhosos bares e quiosques da praia. É o maior point da cidade e também o que tem a maior infraestrutura turística.

Já a Barreira do Inferno, que na verdade é uma base da Aeronáutica, foi o primeiro centro de lançamento de foguetes espaciais da América do sul, inaugurada em 1965. O nome é uma alusão ao reflexo do sol nas falésias locais ao entardecer, que, vistas pelos pescadores que retornavam no final da tarde, tomavam uma forte tonalidade avermelhada.

Para quem gosta de História também há muito o que fazer em Natal revisitando o passado, como o Forte dos Reis Magos, construído em formato de estrela pelos portugueses em 1598, o Farol de Mãe Luiza (ou Farol Natal), construído entre 1949 e 1951, com seus 37 metros de altura e ponde se chega após escalar uma escada em espiral de 151 degraus e de onde se tem uma vista incrível das praias de Ponta Negra e Genipabu.

O Teatro Alberto Maranhão, em uma das mais belas construções históricas locais, em estilo neoclássico, também tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional; e a Igreja Nossa Senhora do Rosário, construída por escravos entre 1706 e 1714, entre outros monumentos

Morro do Careca Natal - o que fazer
Morro do Careca – Natal por commons.wikimedia

 

Diversão: O que fazer de noite em Natal

Aí é cair para dentro, porque a noite em Natal tem opção para todo mundo. Gosta de forró? Então prepare-se para o arrasta pé no Forró com Turista na antiga prisão, hoje o Centro de Turismo. Acontece todas as quintas-feiras. Já Ponta Negra é o ponto de encontro, de onde as tribos partem – ou ficam. Jazz, MPB, forró, techno, rock, axé, por lá tem de tudo, mas os lugares mais badalados são o Taverna Pub, com programação variada na arquitetura medieval; o Decky, com música ao vivo e telão; o Rastapé, como zabumba e sanfona; e o Pepper’s Hall, diferente a cada noite da semana.

Na Via Costeira a animação fica por conta dos hotéis, que também capricham na programação e buffets especiais à base de frutos do mar, comida árabe, nordestina e por aí vai. Já a Rua Chile, com seus casarões e armazéns centenários, capricha na programação nos finais de semana. É tomar fôlego e aproveitar, porque no dia seguinte começa tudo de novo!


 

 

Veja também: